Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Na outra margem da memória

"I don't think we did go blind, I think we are blind, Blind but seeing, Blind people who can see, but do not see.” José Saramago, Blindness.

25
Nov17

Little update

Bom dia pessoal! Tenho andado um pouco desaparecida aqui do blog e na verdade da internet em geral. Este mês de Novembro passou a correr, literalmente, começou com os meus aos, depois veio a preparação para um congresso que houve na capital e depois foi recuperar o que ficou atrasado durante a semana do congresso. E depois disso estamos no final do mês...

Deixo-vos com uma das minhas músicas favoritas dos últimos tempos, beijinho e bom fim-de-semana!

 

15
Out17

ai o tempo...

Ultimamente a minha gestão de tempo tem ido por um canudo abaixo, não consigo fazer basicamente nada a partir do momento em que chego a casa. Costumo chegar do laboratório por volta das sete da tarde e como já disse os meus dias são uma rotina, sempre com as mesmas coisas para fazer, uma preguiça descomunal e sempre com vontade de ir dormir e livrem-me de ter uma vida social, porque ai sim fica tudo virado do avesso. Agora minha gente eu peço-vos encarecidamente os vossos sábios conselhos para arranjar um bocadinho de vontade quando chego a casa, para ler uns artigos ou escrever algo, já não peço muito, note-se... Qual a vossa rotina? Qualquer coisa ajuda, fala-vos uma pessoa à beira do desespero!

30
Set17

Little update #2

Buenos dias pessoas!! Bem sei que tenho andado desaparecida durante estas últimas duas semanas, mas tenho andado basicamente em modo zombie. O trabalho no laboratório deixa-me KO e quando chego a casa a única coisa que me apetece fazer é dormir. As noites passam a correr, no meio da rotina: chegar a casa, tomar banho, lanchar, ir um bocado trabalhar no PC, e neste caso normalmente não me aguento mais do que duas horas, fazer o jantar e o almoço para o dia seguinte e comer novamente, preparar as coisas do dia seguinte e de repente sem dar por elas estou a cair mais que morta na cama. Passei a andar de marmita na mão e a andar a correr atrás de autocarros, porque se fosse a pé para o laboratório acho que só chegava lá por volta das dez da manhã e andei nesta rotina horrível durante estas duas semanas. O objetivo é arranjar uma agenda e organizar melhor o meu tempo, a preparação das comidas e tirar também algum tempo para as coisas que gosto, nomeadamente vir até ao blog! 

17
Set17

Domingos

Domingos para mim são aquele dia sagrado e para não fazer nada, ou melhor isto quando estou de férias. Agora como costumo ir a casa todos os fins-de-semana o domingo normalmente significa acabar o trabalho que ainda tenho para fazer para a próxima semana ( o que normalmente ainda é muito, porque há muita procrastinação!) mas também de voltar novamente a "casa" se é que me faço entender. Quando as férias acabam o meu domingo entra numa rotina horrível de trabalhar, arrumar as coisas, preparar a próxima semana e voltar para casa... No me gusta nadinha malta, mas o que tem de ser tem muita força!

Boa semana para todos, beijinhos.

10
Jul17

Quase, quase, quase lá...

Buenos dias pessoal!! Mais uma semana, ainda ela uma semana cheia de trabalho mas já se sente um cheirinho a pseudo férias. E eu digo pseudo porque na verdade depois de entrar de férias ainda vou ter muita coisa para escrever e muitos artigos para ler para a tese, de qualquer das formas já vai ser de uma forma muito mais relaxada e já dá para ir dar uns mergulhos!! Na verdade eu já só penso é nas férias, no Gerês, na terra da mommy, nos tios, nos amigos e nas festas cá da terra e até já tenho encomendados os meus livros para este verão que devem chegar mais ou menos na altura que acabar os meus exames, isto é se não tiver de fazer nenhuma melhoria... 

Férias me aguardem...

Boa semana para todos e se for caso disso boas férias!!

25
Jun17

Cenas da vida e o post mais longo e enfadonho de sempre

Desde pequena que sempre fui muito tímida, lembro-me de no primeiro ano da primária eu tinha tanto medo de me relacionar com os outros miúdos que eu nos intervalos ia para a minha zona de segurança, ou seja os adultos ( agora que penso bem essa teria sido uma boa altura para ter ido a um psicólogo, just say'in), mas descansem porque eu não fiquei isolada para o resto da minha vida. Verdade seja dita que também não ganhei confiança em mim de um dia para o outro, mas fui crescendo e a vontade de me expressar fala, literalmente mais alto, pode-se dizer que em dias bons sou uma tagarela  (o problema mesmo é quando há muitas iguais a mim!!). Mas pronto com isto já me desviei daquilo que inicialmente eu vinha aqui falar hoje: as apresentações orais. No secundário a técnica era  treinar, treinar, treinar aquilo tudo até saber cada palavrinha que tinha que dizer tim-tim por tim-tim, costumava ir para o quarto e por música aos altos berros e tentar falar por cima da música. Claro que chegava às apresentações e focava-me em alguém que me parecesse estar minimamente atento e falava alto e bom som, com isso ganhei aquilo que eu penso ser hoje em dia umas das minhas maiores qualidades enquanto estudante universitária que é falar em público. Não que eu ache que fale bem, até porque normalmente chego à altura das apresentações a tremer que nem varas verdes, mas demonstro uma falsa confiança que para os menos entendidos na matéria passa por uma elevada confiança naquilo que estou a dizer. Isto  foi o que um dia uma professora de genética me disse no terceiro ano de licenciatura e mal ela sabe que aquilo era um dos maiores elogios que me podia dar.

O grande problema é que amanha vou ter uma apresentação de trabalhos com a minha orientadora de estágio de licenciatura (que sabe bem que eu posso estar a dizer a maior barbaridade que vou manter sempre o mesmo ar e o mesmo tom) e com um professor que honestamente não sei o que esperar... E tendo em conta que tenho perfeita noção que o meu trabalho não está perfeito, voltei outra vez a ser aquela menina que precisa de praticar em frente ao espelho e com música aos altos berros para ver se amanha corre tudo pelo melhor!!

Isto tudo para dizer que apesar dos nervos e do medo que tenho às apresentações orais, adoro a sensação de estar em  frente de um público a falar (de preferência de algo que eu saiba realmente!).

Boa semana para todos!

Mais sobre mim

foto do autor

"Começo a conhecer-me. Não existo. Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram, ou metade desse intervalo, porque também há vida ... Sou isso, enfim ... Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos no corredor. Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo. É um universo barato. " Álvaro de Campos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

counter

Podes encontrar-me em:

Follow